Governo do Rio de Janeiro Rio Poupa Tempo na Web Informação Pública Página inicial
Aumentar letra    Diminuir letra    Letra normal
Compartilhe nas mídias sociais  
Home :: Informações ao Cidadão :: Mitos e erros

Mitos e erros

Mitos e erros

Na maior parte dos casos, o acesso a recursos médicos avançados é dispensável. O que é preciso mesmo é um serviço de saúde organizado e atuante, pessoas preparadas, condições mínimas de hidratação.



A prevenção deve ser feita apenas na erradicação de focos do mosquito e no tratamento aos pacientes - falso!

O trabalho de combate à dengue, chikungunya e zika é muito mais extenso e pede a participação de toda a sociedade. Além disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) ressalta que, durante as epidemias, o trabalho dos postos de saúde informando os pacientes e seus familiares sobre hidratação oral, medicamentos proibidos e, principalmente, sobre como identificar os sinais de alerta indicativos do agravamento das doenças são de grande importância.

Ar condicionado e ventiladores matam o mosquito - falso!

Quando se usa o ar condicionado, a temperatura e a umidade baixam e isso inibe o mosquito. Ele tem mais dificuldade para detectar onde estará a possível vítima de sua picada, mas ele não morre. Estes aparelhos apenas espantam o mosquito que poderá voltar em outro momento quando eles estiverem desligados.

Para matar os ovos do mosquito basta secar os reservatórios de água parada - falso!

Não é apenas o simples ato de secar os reservatórios de água parada que irá impedir o mosquito de se reproduzir. É preciso limpar o local também, pois o ovo ainda pode ser manter "vivo" por mais de um ano sem água.

Repelentes são fundamentais no combate à dengue, chikungunya e zika - falso!

Repelentes, velas de citronela ou andiroba, ao contrário do que muita gente pensa, não tem muito efeito no combate à dengue, chikungunya e zika, pois têm efeito indeterminado e temporário.

Tomar vitamina B afasta o mosquito - falso!

Apesar de ser verdade que o mosquito é atraído de acordo com a respiração e o gás carbônico exalado pela pessoa, a ingestão de vitamina B - alho ou cebola também (que têm cheiro eliminado pela pele) - não é uma medida eficaz de combate à dengue, chikungunya e zika.

Tomar vitamina B pode afastar mosquito, mais isso não dura muito e também irá variar de acordo com o metabolismo de cada pessoa, podendo até não ter efeito algum.

Qualquer picada do mosquito transmite as doenças - falso!

Primeiramente, é necessário que o mosquito esteja contaminado. Além disso, cerca de metade das pessoas picadas não desenvolvem as doenças. Entre 20 e 50% vão desenvolver formas das doenças que não apresentam sintomas. Mesmo assim, é importante em caso de dúvida ou qualquer suspeita procurar o posto de saúde mais próximo.

Borra de café na água das plantas mata os ovos do mosquito - falso!

Não há comprovação de eficácia da borra de café na água das plantas e sobre a terra no combate ao mosquito. Pelo contrário, já foi verificado na prática que a larva do Aedes aegypti se desenvolve na água suja de borra de café.

Ao invés de usar a borra, tente eliminar os pratos dos vasos, ou coloque areia até as bordas deles de forma a eliminar a água. Lave também os pratos com esponja e sabão semanalmente.

As larvas do mosquito só se desenvolvem em água limpa - falso!

Os ovos do mosquito também podem se desenvolver em água suja e parada. Hoje se discute até se as fêmeas do Aedes têm realmente a preferência pela água limpa. Então, para combater dengue, chikungunya e zika o importante é acabar com qualquer reservatório de água parada, seja limpa ou suja.

As formas graves da dengue só ocorrem em pacientes de classe social menos favorecida - falso!

A dengue não escolhe suas vítimas por classes socais. Todos os países que lutam contra a doença registraram casos graves, até mesmo fatais, em médicos, políticos, empresários, artistas, jornalistas e outros. Isso reforça que a preocupação com o combate ao mosquito deve ser de toda a sociedade.

Pacientes com dengue tipo clássico não têm complicações - falso!

Não é apenas a dengue do tipo hemorrágico que pode causar complicações aos pacientes. À dengue clássica também podem se juntar (até mesmo com certa frequência) alterações das funções hepáticas, miocardite, assim como problemas neurológicos, resultantes do comprometimento do sistema nervoso central. O paciente com suspeita da doença deve sempre buscar orientação médica.

A dengue não tem tratamento - falso!

Embora não exista antiviral capaz de reduzir a presença do vírus no sangue ou bloquear os mecanismos fisiopatológicos que conduzem ao choque e às hemorragias, isso não significa que a doença não possa ser combatida. A falta do antiviral pode ser compensada pela aplicação de um conjunto de conhecimentos que classificam o paciente de acordo com seus sintomas e a fase da doença, permitindo, assim, reconhecer precocemente os sinais de alerta, iniciando a tempo o tratamento adequado.

Não há necessidade de vigiar os sinais da dengue após o período febril - falso!

É um erro pensar que as complicações da dengue surgem somente durante o pico da febre. Muitas vezes, o período crítico coincide com a baixa da febre, quando pode ser constatada a hemoconcentração, com graves consequências clínicas. Posteriormente, podem aparecer hipotensão arterial, taquicardia, pulso fino e rápido, cianose periférica e choque.

Para evitar a morte por dengue são necessários recursos médicos avançados - falso!

Na maior parte dos casos, o acesso a recursos médicos avançados é dispensável. O que é preciso mesmo é um serviço de saúde organizado e atuante, pessoas preparadas, condições mínimas de hidratação oral e venosa, comunicação eficiente, etc.


Denúncia de focos



As secretarias Municipais de Saúde são as responsáveis pelo combate direto ao mosquito.

Clique aqui e veja como entrar em contato com a secretaria de sua cidade.
Acompanhe o Rio Contra Dengue nas mídias sociais

Facebook Twitter Youtube
Secretaria de saúde
Links interessantes:
PET Rio sem fumo Rio imagem Rio com Saúde Xô, Zika !!


Alguns direitos reservados
Esta obra é licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil