Governo do Rio de Janeiro Rio Poupa Tempo na Web Informação Pública Página inicial
Aumentar letra    Diminuir letra    Letra normal
Compartilhe nas mídias sociais  
Home :: 10 minutos salvam vidas :: Tudo sobre a Zika
Zika

Embora a primeira evidência de infecção humana pelo ZIKAV se remeta ao ano de 1952, a partir de amostras de soro humano do Leste da África, o ZIKAV permaneceu relativamente desconhecido até 2007, quando ocorreu um grande surto na ilha de Yap e em outras ilhas próximas dos Estados Federados da Micronésia.

Inicialmente, o surto foi relacionado ao vírus da dengue, de maneira equivocada. Posteriormente, a partir de exames sorológicos e de biologia molecular, foi possível identificar o ZIKAV como agente etiológico responsável. Durante o surto, cerca de 70% dos residentes na ilha de Yap foram afetados, aproximadamente 8.187 de 11.697 pessoas.


Agente etiológico, sinais clínicos e tratamento

O ZIKAV é um arbovírus do gênero Flavivírus, da família Flaviviridae, que foi isolado pela primeira vez em 1947, a partir de macacos Rhesus utilizados como sentinelas para detecção de febre amarela, na floresta Zika, em Uganda, o que motivou sua denominação.

Até o momento, são conhecidas e descritas duas linhagens do ZIKAV: uma africana e outra asiática. Adicionalmente, estudo recente aponta que a linhagem africana, por sua vez, pode ser subdividida em linhagem do Leste e do Oeste da África, indicando que ainda há muito para se conhecer sobre a biologia desse vírus.

Estudos adicionais de vigilância e de pesquisa são necessários para melhorar a nossa compreensão da doença, incluindo-se os seus potenciais efeitos epidemiológicos e clínicos, bem como a cocirculação do ZIKAV com outros flavivírus.

A febre pelo vírus Zika é uma doença febril aguda, autolimitada, que, via de regra, não se associa a complicações graves, sem registro de mortes, e que leva a uma baixa taxa de hospitalização.

Quando sintomática, a febre pelo vírus Zika causa febre baixa, exantema maculopapular, artralgia, mialgia, cefaleia, hiperemia conjuntival e, menos frequentemente, edema, odinofagia, tosse seca e alterações gastrointestinais, principalmente vômitos.

Não existe tratamento específico. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados. Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico e outros anti-inflamatórios, em função do risco aumentado de complicações hemorrágicas descritas nas infecções por outros flavivírus.

Também não há vacina para esta doença até o momento.

Rererências:

SITE: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs327/en/Chikungunya, acesso em 27 de novembro de 2015, World Health Organization.

Ministério da Saúde. Febre pelo vírus Zika: uma revisão narrativa sobre a doença. Boletim Epidemiológico, ISSN 2358-9450, Secretaria de Vigilância em Saúde − Ministério da Saúde, Volume 46, N° 26, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Volume Único – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2014.


Denúncia de focos



As secretarias Municipais de Saúde são as responsáveis pelo combate direto ao mosquito.

Clique aqui e veja como entrar em contato com a secretaria de sua cidade.
Acompanhe o Rio Contra Dengue nas mídias sociais

Facebook Twitter Youtube
Secretaria de saúde
Links interessantes:
PET Rio sem fumo Rio imagem Rio com Saúde Xô, Zika !!


Alguns direitos reservados
Esta obra é licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil